• 6 de March de 2021

Elinaldo desaparece, não participa de reuniões sobre novos investimentos para suprir saída da Ford, tampouco da vacina contra Covid e deixa Camaçari ao léu

 Elinaldo desaparece, não participa de reuniões sobre novos investimentos para suprir saída da Ford, tampouco da vacina contra Covid e deixa Camaçari ao léu
Conteúdo de opinião – Coluna Quebra-queixo

Ausente por conta de férias, o prefeito Antônio Elinaldo (DEM) limitou-se a não intervir em um dos momentos mais difíceis da história do município de Camaçari. Limitado a colocar em suas redes sociais, imagens e mensagens de apoio, que de nada servem, o prefeito em uma onda do pouco me importa, esqueceu de estar ao lado do povo no qual se diz parceiro.

Desde a saída da Ford, que trouxe um prejuízo para a classe trabalhadora e aos cofres do município, foram realizadas diversas reuniões, entre sindicato, governador, comissão de vereadores e até embaixadores de outros países, numa ação de buscar investimentos para suprir a perda. A grande pergunta é: em que lugar do mundo, em uma situação desta complexidade, um governante não estaria em busca de resolução para ajudar o povo que o elegeu? Eu mesmo respondo: em Camaçari.

Infelizmente não para por aí. Seguindo a comoção e emoção que se espalha por todo o mundo, por conta do recebimento das vacinas contra a Covid-19, Elinaldo foi o único dos reeleitos de Camaçari, que não se fez presente para o ato histórico. O prefeito não esteve presente para receber o lote de vacina. Não compareceu ao primeiro ato de esperança na luta contra a Covid-19, que já fez 146 vítimas em Camaçari, e vira as costas para os quase 700 casos ativos da doença no município.

Talvez, se o ano eleitoral fosse este, a história poderia está sendo contada de outra maneira. A insensibilidade, a falta de compromisso e o descaso, é fruto de um governo omisso e sem capacidade, restrito aos seus próprios interesses. População desempregada, plano de vacinação chucro, única unidade de saúde lotada (UPA da Gleba A) e numero crescente de infectados por coronavírus.

Ao que parece, as férias do prefeito é irrefutável e inadiável, muito mais urgente do que a vida e a saúde das pessoas de Camaçari.

Redação