• 21 de April de 2021

Centro Logístico vai abrir mais de 1,5 mil vagas de emprego em Simões Filho

 Centro Logístico vai abrir mais de 1,5 mil vagas de emprego em Simões Filho

Duas mil vagas de empregos diretos e indiretos durante as obras e 1.500 empregos diretos serão gerados quando da ocupação dos galpões. É essa a estimativa da Golgi, que abrirá o seu primeiro centro logístico nordestino e escolheu o Centro Industrial de Aratu, em Simões Filho, como destino.

O novo centro ocupará uma área de 330 mil metros quadrados de terreno e terá aproximadamente 130 mil metros quadrados construídos. O empreendimento gerará mais de dois mil postos de trabalhos durante a obra e mais de 1.500 empregos diretos durante a sua operação.

Para atingir esse objetivo, a Golgi firmou uma operação de retro locação de longo prazo, também conhecida pelo termo de “Sale & Lease Back”, com a Avon, por meio do qual a empresa de cosméticos continuará operando seu centro logístico implantado em parte do imóvel desde 2004, no município de Simões Filho. Golgi, por sua vez, irá desenvolver e construir novos galpões logístico-industriais no restante daquela área, trazendo mais desenvolvimento, empregos e arrecadação de tributos ao estado e município.

Esta operação permitirá que a Avon solidifique e modernize sua operação no município, enquanto a construção de novos galpões logísticos e industriais atrairá para aquela região outras empresas que já demandam centros logísticos-industriais para se instalar, gerando empregos e impostos no estado da Bahia.




Os centros logísticos-industriais são atualmente uma peça fundamental na cadeia de produção e distribuição de produtos, tendo em vista a crescente importância do e-commerce para as empresas dos mais variados ramos de atividade. É em torno dos centros logísticos-industriais que gira grande parte da atividade econômica nos dias de hoje e, durante a pandemia da Covid-19, esse setor da economia tem demonstrado resiliência e encontrado espaço fértil para ampliar seu desenvolvimento.

Como especialista em espaços industriais-logísticos, a Golgi permite que seus clientes liberem o capital que estaria aplicado em imóveis para fins de desenvolvimento de produtos, treinamento, tecnologia, capital de giro, máquinas, serviços e afins. Empresas como Amazon, FIAT, Mercedes, B2W, Bridgestone, Portobello, Suzano, Braskem e Carrefour, dentre outras, são inquilinas dos empreendimentos da Golgi.

Atualmente, a Golgi possui nove empreendimentos logísticos que, juntos, somam mais de 1,4 milhão de m² de área locável. Os empreendimentos estão localizados em São Paulo, Rio de janeiro, Minas Gerais e Distrito Federal.

A Bahia foi o estado escolhido pela Golgi para sua entrada no Nordeste brasileiro em razão de seu potencial para a absorção de galpões logísticos-industriais, resultado da presença de um enorme mercado consumidor naquele que é o maior território desta importante região do Brasil




Apesar da pandemia da Covid-19, a Golgi mantém seus investimentos ao redor do país e sua forte expectativa de excelentes resultados na Bahia.

Redação