• 15 de June de 2021

Caso Atakarejo: segurança e traficantes são presos por mortes de tio e sobrinho

 Caso Atakarejo: segurança e traficantes são presos por mortes de tio e sobrinho

Foto: Alberto Maraux/SSP-BA

Um segurança do supermercado Atakarejo foi preso na manhã desta segunda-feira (10), em Salvador, durante uma operação que investiga as mortes de Bruno e Yan Barros da Silva. No fim de abril, os dois, que eram tio e sobrinho, foram mortos após serem flagrados quando tentavam furtar carne do estabelecimento.

Outras três pessoas também foram presas por suspeita de envolvimento no caso; elas foram identificadas pela Polícia Civil como suspeitas de também serem traficantes de drogas. A polícia cumpre ainda mandados de busca e apreensão no supermercado e em casas no complexo de bairros que formam o Nordeste de Amaralina.

“No supermercado, estamos colhendo provas através de computadores, documentos, entre outros eletrônicos”, explicou a delegada responsável pela investigação, Zaira Pimentel. A equipe de reportagem entrou em contato com o grupo Atacadão Atakarejo e aguarda posicionamento.

Além do Nordeste de Amaralina, os mandados também são cumpridos nos bairros da Mata Escura e Fazenda Coutos, na capital baiana, e no município de Conceição do Jacuípe, a cerca de 100 quilômetros de Salvador.

O crime aconteceu no dia 26 de abril, mas só na última quinta-feira (6), o supermercado Atacadão Atakarejo informou que os seguranças envolvidos no caso foram afastados. Segundo a família das vítimas, Bruno e Yan entregues pelos funcionários do estabelecimento para integrantes de uma facção criminosa do bairro do Nordeste de Amaralina.

Na sexta-feira (7), o Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA) pediu a prisão preventiva das pessoas envolvidas nas mortes de Bruno Barros e Yan Barros.

O órgão, no entanto, não detalhou quantas pessoas podem estar envolvidas, nem as identidades delas. Além disso, o MP-BA também solicitou a prisão preventiva de prepostos da rede Atakarejo, por terem contribuído com a morte do tio e sobrinho.

Participam da Operação Retomada, cerca de 50 equipes com 200 policiais civis, da Polícia Militar, da Superintendência de Inteligência da SSP e do Departamento de Polícia Técnica (DPT) participam da ação.

Redação