• 23 de May de 2024


Camaçari é a 4ª cidade do Brasil, com o ar mais poluído, aponta relatório

 Camaçari é a 4ª cidade do Brasil, com o  ar mais poluído, aponta relatório

Camaçari é a 4ª cidade brasileira com a pior qualidade do ar, segundo o relatório World Air Quality de 2023, feito pela IQAir. A pesquisa mostra as cidades e países com pior qualidade de ar do mundo. O documento foi divulgado nesta semana e traz dados de 7,8 mil localidades em 134 países.

Qualidade do ar nas cidades brasileiras

Baseado na concentração de material particulado (MP 2,5), em micrograma por m³. Abaixo, todas as cidades brasileiras analisadas.

  • Xapuri (Acre): 21 (excede de 3 a 5 vezes o parâmetro da OMS);
  • Osasco (São Paulo): 19,4 (excede de 3 a 5 vezes o parâmetro da OMS);
  • Manaus (Amazonas): 16,8 (excede de 3 a 5 vezes o parâmetro da OMS);
  • Camaçari (Bahia): 16,2 (excede de 3 a 5 vezes o parâmetro da OMS);
  • Guarulhos (São Paulo): 16 (excede de 3 a 5 vezes o parâmetro da OMS);
  • São Caetano (São Paulo): 15,9 (excede de 3 a 5 vezes o parâmetro da OMS);
  • Rio Claro (São Paulo): 15,5 (excede de 3 a 5 vezes o parâmetro da OMS);
  • Cubatão (São Paulo): 15,4 (excede de 3 a 5 vezes o parâmetro da OMS);
  • Acrelândia (Acre): 15 (excede de 2 a 3 vezes o parâmetro da OMS);
  • Campinas (São Paulo): 15 (excede de 2 a 3 vezes o parâmetro da OMS);
  • Mauá (São Paulo): 14,6 (excede de 2 a 3 vezes o parâmetro da OMS);
  • Porto Velho (Rondônia): 14,3 (excede de 2 a 3 vezes o parâmetro da OMS);
  • São Paulo: 14,3 (excede de 2 a 3 vezes o parâmetro da OMS);
  • Senador Guiomard (Acre): 13,4 (excede de 2 a 3 vezes o parâmetro da OMS);
  • Santos (São Paulo): 13,1 (excede de 2 a 3 vezes o parâmetro da OMS);
  • Ribeirão Preto (São Paulo): 13 (excede de 2 a 3 vezes o parâmetro da OMS);
  • Jundiaí (São Paulo): 12,6 (excede de 2 a 3 vezes o parâmetro da OMS);
  • Rio Branco do Sul (Paraná): 11,9 (excede de 2 a 3 vezes o parâmetro da OMS);
  • Curitiba (Paraná): 11,9 (excede de 2 a 3 vezes o parâmetro da OMS);
  • Rio Branco (Acre): 11,8 (excede de 2 a 3 vezes o parâmetro da OMS);
  • Piracicaba (São Paulo): 11,8 (excede de 2 a 3 vezes o parâmetro da OMS);
  • Rio de Janeiro: 11,7 (excede de 2 a 3 vezes o parâmetro da OMS);

Joe Improta