• 3 de July de 2022

Usina termoelétrica de Camaçari, um dos principais investimentos da Petrobras na Bahia paralisa operações

 Usina termoelétrica de Camaçari, um dos principais investimentos da Petrobras na Bahia paralisa operações

A Petrobras já pediu o encerramento das operações da usina termoelétrica de Camaçari, por ter se tornado um “elefante branco”, já que simplesmente não consegue vender a energia ao preço necessário, que sirva para cobrir os custos de operação, manutenção e tecnologia utilizada na montagem da planta. Em entrevista, a Petrobras admitiu que não tem ideia do que fará com o maquinário da usina. Caberá ao general Joaquim Silva e Luna resolver mais este desafio, já que assumirá a petroleira ainda neste mês de março.

Investimento e parcerias envolvendo a usina termoelétrica
Construída em 2001, usando mais de US$ 60 milhões, a usina – que possui capacidade de gerar cerca de 120 megawatts (MW) de energia – era o resultado de uma grande parceria entre a Petrobras e a portuguesa EDP.

Cerca de três anos depois, a estatal brasileira decidiu que teria o controle total da usina, pagando mais R$ 240 milhões, em valores corrigidos pela inflação, possuindo até dado momento os 100% do negócio. Sem grandes problemas, a usina se mantinha firme na geração de energia. Porém, para a surpresa de muitos, em 2017 a usina movida a geração por gás estava completamente cercada de problemas, levando à sua inviabilização.

Saída do mercado de energia
A Petrobras, ao se dar conta do caos em que a termoelétrica se encontrava, e também após ter leiloado por duas vezes em 2015 e 2017 a energia da usina, repassou para a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) que a “Termocamaçari” já não dava mais lucro e nem mostrava resultado “economicamente viável” no mercado de energia, devido a “ausência de condições operativas”.

Joe Improta