• 23 de October de 2021

Aos 263 anos, Camaçari precisa de cuidado e amor, afirma Ivoneide Caetano

 Aos 263 anos, Camaçari precisa de cuidado e amor, afirma Ivoneide Caetano

Estamos completando 263 anos de emancipação política desta Camaçari que tanto nos orgulha. Uma cidade de um povo aguerrido e lutador, conhecida mundialmente por abrigar o maior Polo Industrial Misto da América Latina, por exportar o maior percentual da produção industrial de todo o estado (22%). Nosso PIB é o 2º maior da Bahia.

Cidade de uma economia inquestionavelmente forte, que atraiu diversas multinacionais e que já foi uma das referências em geração de emprego e renda no país.

Parabéns Camaçari por sua emancipação política. Um município de grande potencial turístico, que encanta pelas belezas naturais em seus 42 km de orla e ainda mantém viva as tradições culturais, a agricultura familiar e o cultivo da terra. É por esse potencial que defendo e luto, amo e prezo este município. Entretanto, infelizmente, hoje não temos festa e nem alegria na cidade. Temos pouco a comemorar pelo total desprezo da atual gestão do governo do DEM.

A cidade chora por ter que enfrentar mais quase quatro anos deste governo ausente, que ao povo falta o básico: saúde pública, educação, mobilidade urbana, assistência social, transporte público, cultural e lazer. Só este ano a estimativa de arrecadação é de R $1,6 bilhão, dinheiro que não circula na cidade em que vivemos.

Camaçari está penalizada pelas obras paralisadas, Creches, Postos de Saúde, quer dizer, a principal obra da gestão, a duplicação do Viaduto do Trabalhador, tem anos de atraso, a um custo financeiro superior ao dimensionado inicialmente. Um total descontrole e desperdício do dinheiro público.

E a gestão do DEM, ainda despreza a mão de obra local. Eles insistem em contratar pessoas que não tem relação com a cidade, deixando cada vez mais o povo empobrecido e sem esperança.

A prefeitura de Camaçari não fomenta nem oportuniza avanços econômicos e o que presenciamos é o fechamento de lojas de micro, médio e grandes empreendedores, além de fábricas e o setor da indústria, e como consequência, enfrentamos a desvalorização do trabalhador e do conjunto da sociedade.

É uma gestão que não se sensibiliza nem se movimenta para mudar o rumo do crescimento do desemprego e da fome. Nunca havíamos visto tantas pessoas nas sinaleiras da cidade pedido comida, retrato angustiante e triste da atual Camaçari.

Mas vamos sobreviver a tudo isso e vamos vencer os desafios. O futuro pertence a Deus e ao povo, e vamos resgatar nossa cidade linda e rica de diversidade cultural, com vocação para a indústria, empreendedorismo internacional e nacional, turismo e serviços. Precisamos de uma gestão que entenda que a cidade é a nossa grande casa, e toda casa precisa ser cuidada e principalmente precisa de amor.

Redação